Pesquise

PORTAL EDUCAÇÃO - CURSOS EM TODAS AS ÁREAS

Curso online de Alfabetização

FIQUE POR DENTRO..SIGA O EduCRIANÇA

sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

QUE TAL BRINCAR COM AS CORES?

Vamos brincar com as cores??

Vivemos em um mundo totalmente colorido. Desde pequenos, já temos nossas primeiras experiências, sabemos que o Azul é a cor do céu ou do mar, que o verde é a cor das florestas, que o sol é amarelo. Relacionamos tudo e é assim que tudo começa.... Tive um aluno que chamava o Homem Aranha de Homem aranha melancia, fiquei intrigada, mas, descobri que era melancia, porque a melancia é vermelha e o homem aranha é vermelho.

Mas, é assim que tudo começa, as experiências com as cores começam bem cedo e é por esse motivo que temos que aproveitar ao máximo esse interesse.

Uma ótima dica que vi na Revista "Guia de Professoras de Educação Infantil", mas que também pode ser adaptada do seu jeitinho.

Nesta sugestão as crianças reconhecem e nomeiam as cores.
Recorte cartolinas de várias cores e faça um círculo no meio da sala, faça também um dado de cores. Peça para cada criança, uma de cada vez, jogar o dado para cima, a cor que sair, ele terá que procurar no círculo. Assim que achar, deverá ficar em cima da cor selecionada.
Outra dica é a brincadeira Elefantinho Colorido: A atividade exige atenção e agilidade para correr e não ser pego.
IDADE A partir de 4 anos.
LOCAL Ambiente espaçoso e colorido.
PARTICIPANTES: No mínimo três.
COMO BRINCAR: Uma criança é escolhida para comandar. Ela fica na frente das demais e diz: “Elefantinho colorido!” O grupo responde: “Que cor?” O comandante escolhe uma cor e os demais saem correndo para tocar em algo que tenha aquela tonalidade. Vale se a cor pedida estiver na roupa de alguém.Se o pegador encostar em uma criança antes de ela chegar à cor, é capturada. O comandante tem de escolher uma cor que não está num local de fácil acesso para dificultar o trabalho dos demais. Vence a brincadeira quem ficar por último.

quinta-feira, 17 de janeiro de 2008

DICAS PARA A CHAMADA


Sugestões para o momento da CHAMADA:


  1. Tenha em seu material cartões com cada letra do alfabeto. Sempre que possível apresente as letras, sempre verbalizando para que as crianças gravem o nome de cada uma delas, se possível, relacione a letra com o nome do aluno, ou de algum objeto. Ex: letra A da Aline, letra B da Bola.

  2. Carimbe na mão das crianças a letra referente ao seu nome. Em seguida vá mostrando os cartões com as letras do alfabeto. Qual o nome dessa letra? De quem é essa letra? Alguém tem essa letrinha carimbada na mãozinha?

  3. Espalhe as fichas com os nomes no meio da roda, peça ao ajudante que cante a música: "Uni dune tê, salamé, mingué, o sorvete colore, o escolhido foi você" a criança escolhida, vai até as fichas com os nomes e tenta identificar o nome e levá-lo até a chamada.

  4. Faça um painel bem bonito, simbolizando o mar. Faça um peixinho para cada aluno com seus respectivos nomes, cante a música, "Se eu fosse um peixinho..." mostrando o nome para as crianças, assim que identificarem o nome, a criança fixa o peixinho no painel.

  5. Faça um círculo com as cadeiras, cole atrás da cadeira as fichas com os nomes das crianças. Coloque uma música bem animada, comece pelo ajudante do dia, assim que ele se sentar, peça a criança que retire o nome do colega que está atrás da cadeira e entregue ao amigo, o mesmo levará a ficha do nome até o local da Chamadinha. Dar continuidade com a criança escolhida. Termina até que o último nome seja colocado na chamada. (recomendável para crianças de 5-6, o tempo de concentração dos menores é bem menor)

  6. Esconde-esconde-nome: Essa brincadeira é semelhante ao "chicotinho queimado", a professora esconde todos os nomes na sala. Primeiro ela explica que todos os nomes sumiram, mas que eles estão por ali, dentro da sala, mas ela precisa de ajuda para encontrar. Assim que ela der o sinal, todos vão a caça dos nomes. Assim que encontrarem os nomes, colocar as fichas no meio da roda. Começando pelo ajudante, peça a ele que identifique a sua ficha e leve até a chamada, em seguida escolha um amigo para dar continuidade.

  7. Faça dois painéis, um simbolizando a escola e o outro uma casa. Primeiramente faça uma pesquisa para verificar se a maioria dos seus alunos moram em casa ou apartamento. Uma criança de cada vez, vai até a casinha ou prédio, retira sua plaquinha com o nome ou sua foto e leva até a escola, fixando no painel. (Dica: Assim que a turminha já estiver craque na identificação do nome, retire a foto e faça a chamada somente com o nome)

UMA ÓTIMA DICA!! PARA FAZER MUITO ARTE

Linguagem Plástica



Objetivos:
  • Ajudar a criança a se apropriar de regras pré-estabelecidas, buscando o reconhecimento de suas sensações corporais, ritmos e signos culturais;
  • Descobrir a arte por meio de experiências plásticas;
  • Desenvolver a percepção infantil, por meio do corpo;
  • Explorar diferentes gestos e sensações, usando braços, palmas das mãos, dedos, pés etc;
  • Usar ambientes internos e externos, levando a criança a utilizar diferentes planos (horizontal, vertical, inclinado);
  • Possibilitar o uso de diferentes instrumentos (escova de dentes, cotonetes, pincéis, rolos, papéis, papelão, azulejo da parede, plásticos etc), além de diferentes texturas, cores e temperaturas.

COMO PLANEJAR OFICINAS

  1. Escolha os materiais e as técnicas que irá trabalhar com as crianças, seguindo o seu planejamento.

  2. Providencie os materiais com antecedência.

  3. Defina com qual frequência e em quais dias da semana serão realizadas as oficinas. Para crianças com menos de três anos a oficina pode acontecer duas ou três vezes por semana.

  4. Escolha alguns espaços internos e externos de acordo com a faixa etária.

  5. Crie um ritual com a criança antes do início da oficina, marcando a atividade plástica.

  6. Estabeleça um tempo de duração da oficina (no início pode ter 15 a 20 minutos), que pode ser estendido conforme a aceitação do grupo.

  7. Lembre-se que o contato com o material provocará alguns sentimentos e sensações ainda desconhecidos pelas crianças. Para esse momento, escolha um lugar tranqüilo, músicas agradavéis e não deixe de auxiliar e acolher os alunos.

DICAS:

  • Utilize materiais diversos, que despertem diferentes sensações, como gelo, folhas secas ou verdes, areia fina ou grossa, seca ou molhada.

  • Os materiais recolhidos pelas crianças, como folhas, flores e sementes, podem ser guardados em caixas transparentes.

  • Confeccione painéis e murais coletivos com pinturas e colagens, e exponha na altura das crianças, de forma que ela possam olhar, observar, mostrar e apresentar muitas vezes.

  • Organize passeios e atividades dentro e fora da escola, a fim de observar diferentes ambientes e contextos. Por exemplo, visita a praças,parques, museus, galerias etc.

RECEITA COMESTÍVEL

  • Faça um mingau de amido de milho, polvilho, farinha de trigo (crua ou cozida), sagu ou fubá. A farinha de trigo crua deixa o mingau parecido com uma massinha de modelar. Já a farinha cozida dá uma consistência mais mole, com a de tinta guache.

  • Adicione anilina comestível, na cor desejada, de acordo com a espessura do mingau.
Variação: para dissolver o mingau, você pode usar, em vez de anilina, a água do cozimento de cenoura, da beterraba, de verduras verdes ou de gelatinas.

DICAS DE LIMPEZA

  • Antes de começar a oficina, passe olhe de amêndoa, óleo de cozinha ou vaselina nas mãos das crianças. Dessa forma a remoção de tinta e anilina será mais fácil.

  • O ambiente deve estar limpo e agradável antes, durante e depois das atividades. Todas as ferramentas (pincéis, pás, rolos, bandejas, potes etc.) devem ser mantidas limpas e organizadas.

  • Durante as oficinas, revista o chão com um plástico. Esse pode ser um marcador para as crianças: toda vez que você pegar o plástico, elas saberão que a oficina irá começar.

Então, depois dessas dicas, só falta começar. O que você está esperando professora?

MÃOS A OBRA!!!!

Contribuição de "Maria Cândida Brandão Bertolini e Dulcinéia Gerolan Alves"

Professoras da Creche "Carochinha Coseas - USP - RP

Revista: "Guia Prático para Professoras de Educação Infantil"

quarta-feira, 16 de janeiro de 2008

Uma Aranha para divertir a garotada!!!

Uma aranha muito divertida!!

A Dona Aranha subiu pela parede

venho a chuva forte

e a derrubou
Já passou a chuva

o sol já vai surgindo

e a Dona Aranha

continua a subir

Ela é teimosa e desobediente

sobe, sobe, sobe, nunca está contente.


Muito fofa essa aranha!!!!

Achei na Edição Especial Música na "Revista de Professoras de Educação Infantil".

Aproveitem!!!

Uma ótima dica!!!

terça-feira, 15 de janeiro de 2008

Reunião de Pais

Um novo ano começa



Um ano cheio de dúvidas.

E, ao mesmo tempo,cheio de esperanças.

Mas nesse ano,há um dia especial pra mim.

Posso ir muito contente.

Mas se por acaso eu chorar,quando à escola entrar,não fique com pena de mim.

É que vou ficar longe de você...

Mas lá vou encontrar segurança,dedicação, atenção,e principalmente, amor.

Não se preocupe com lápis, borracha e caderno...

Eu só os usarei depois de muito brincar, recortar,colar, desenhar, pintar...

Pergunte o que fiz na escolae não jogue fora os meus trabalhinhos,eles são muito importantes para mim!

Tudo isso fará de mim uma

CRIANÇA FELIZ!



Contribuição do Baú de Idéias

Reunião de Pais

As Crianças Aprendem o que Vivem


Se as crianças vivem em meio a críticas, aprenderão a condenar.

Se as crianças vivem em meio à hostilidade, aprenderão a brigar.

Se as crianças vivem sendo ridicularizadas, irão se tornar tímidas.

Se as crianças vivem com vergonha, aprenderão o sentimento de culpa.

Se as crianças vivem onde há incentivo, aprenderão a confiança.

Se as crianças vivem onde ocorre a tolerância, aprenderão a paciência.

Se as crianças vivem onde há elogios, aprenderão a apreciação.

Se as crianças vivem onde há aceitação, aprenderão a amar.

Se as crianças vivem onde há aprovação, aprenderão a gostar de si mesmos.

Se as crianças vivem onde há honestidade, aprenderão a veracidade.

Se as crianças vivem com segurança, aprenderão a crer em si mesmas e naqueles que as rodeiam.

Se as crianças vivem em um ambiente de amizade, aprenderão que o mundo é um lugar bom para se viver.


Dorothy Law Nolte
Contribuição do Baú de Idéias

Tudo o que eu devia saber!!


Tudo que eu devia saber aprendi no Jardim de Infância
Robert Fulghum (adaptado e traduzido por Paulo R. Motta



A maioria das coisas que eu realmente precisava aprender sobre como viver, fazer e ser, eu aprendi no Jardim de Infância.

Sapiência não se encontrava no topo da montanha das escolas de pós-graduação, mas no pátio do jardim.

Essas são as coisas que aprendi:

- Compartilhar todas as coisas;

- “jogue limpo” e não bata nos colegas;

- Não pegue nada que não seja seu;

- Limpe a bagunça que você fez;

- Coloque tudo de volta nos seus lugares;

- Peça desculpas quando você magoar alguém;

- Sempre dê a descarga e lave as mãos, sobretudo, antes das refeições.

- Viva uma vida equilibrada: além de trabalhar, desenhe, pinte, cante e dance um pouco todos os dias. Lembre-se também de que leite frio e biscoitos fresquinhos podem ser bons para você.

- Tire uma soneca à tarde e, quando sair às ruas, cuidado com o trânsito, dêem as mãos e permaneçam juntos.

- Cultive a imaginação. Lembre-se da semente de feijão que a professora colocava no vaso de água. As raízes cresciam para baixo e as folhas para cima e ninguém sabia explicar por quê. Nós somos parecidos. Os peixinhos do aquário, os passarinhos da gaiola, as sementes do feijão, todos morrem também.

- Recorde-se do grande e melhor conselho da época: Olhe! Olhe ao seu redor! Tudo o que você precisa saber está aí a sua volta.

- As regras de ouro: paz, amor, ecologia e uma vida saudável.

- Imagine como o mundo seria melhor se todos tivessem um lanchinho com leite e biscoitos às 3 da tarde e, em seguida tirassem uma soneca.

- Imagine se fosse política nacional que todos os cidadãos tivessem que limpar a sua própria bagunça e colocar as coisas de volta em seus lugares. Imagine se todos dessem as mãos e permanecessem juntos.



Fonte: Tudo que Eu Devia Saber Aprendi no Jardim de infância
Robert Fulghum – ed. Best Seller (ISBN 8571239045)

************************
Este texto é um resumo da tese do Dr. Robert Fulghum,
transformada em livro que se tornou um best-seller nos Estados Unidos.
Escritor Americano, cujos livros estão traduzidos em 27 línguas.
É filósofo, teólogo, dedica-se às Artes e
é professor numa universidade americana.
Contribuição do Baú de Idéias

quinta-feira, 3 de janeiro de 2008

Conhecimento ou Informação???

Podemos dizer que atualmente vem crescendo o número de usuários da Internet, mas ao mesmo tempo temos que levar em consideração como esses novos usuários utilizam a Internet.
Existe uma pesquisa feita atualmente pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), do Suplemento de Cultura da Pesquisa de Informações Básicas Municipais (Munic), que traça um perfil cultural das cidades brasileiras.
Existe um número grande de acessos a Internet, mas, infelizmente esses acessos não supõe uma culturação.
Entre os números apresentados pelo IBGE, cresceu o número de municípios com acesso a rede mundial de computadores, cerca de 17,8%, mas, infelizmente uma queda de 15,5% de cidades com livrarias.
Percebe-se que o simples fato de ter acessado a Internet, não significa que você adquiriu novos conhecimentos, no máximo uma informação.
É nesse sentido que devemos pensar em como usamos a Internet e o que ela nos proporciona. Será que estamos realmente utilizando-a de forma positiva a fim de acrescentar novos conhecimentos?
Vamos pensar um pouquinho nisso, quem quiser dar mais uma olhadinha na reportagem clique aqui.

Abraço pessoal