Pesquise

PORTAL EDUCAÇÃO - CURSOS EM TODAS AS ÁREAS

Curso online de Alfabetização

FIQUE POR DENTRO..SIGA O EduCRIANÇA

terça-feira, 27 de maio de 2008

Trabalhando a FLORA


A Marly me pediu algumas ideias sobre FLORA, vão algumas, espero que ajude!!!

Beijos mil

Sand Catarina


1 – Quando trabalhamos a flora e fauna primeiramente é necessário trabalhar a questão do respeito à natureza. A coleção da Ingrid Biesemeyer Bellinghause é muito boa “Um mundinho de paz”, “De Olho na Amazônia”, “O Trânsito no Mundinho” entre outros livros, que falam muito sobre a questão ambiental.
2 – Tem a música da Sementinha da
Cêlele e da Relalá, que eles podem dramatizar, com isso as crianças poderão compreender o processo de crescimento de uma planta e o que é necessário para que ela possa crescer bonita e saudável.

3 – Você também pode utilizar a técnica de pintura com folhas, fica muito bonito.

4 – Pode também trazer a importância de se cuidar da natureza, a questão do desmatamento e sua influência no meio ambiente, como por exemplo a extinção de animais ou de plantas e a influência dessa extinção no meio ambiente. Fazer até um levantamento na própria cidade. Será que tem árvores suficientes na minha rua, na minha cidade etc.

5 – Você pode levá-los para fazer um picnic em um jardim ou se tiver alguma reserva em sua cidade ou parque ecológico, seria muito legal, para que as crianças possam ter um contato legal com a natureza.

6 – Depois de um passeio você pode montar um registro com as crianças, através de relatos e desenhos.

7 – Que tal elas plantarem uma sementinha e ver no que dá! Com isso elas poderão observar o crescimento e verificar que toda planta precisa de muito carinho e atenção para crescer bonita, ou também, você poderia montar um jardim com as crianças, se sua escola oferecer esse espaço.

terça-feira, 20 de maio de 2008

Música - Festa Junina

Toda festa exige uma trilha sonora!!!
Vai algumas dicas para você se divertir com a turminha e cantar bastante!!

Cai, cai, balão!
Cai, cai, balão!
Cai, cai, balão!
Na rua do sabão
Não cai não!
Não cai não!
Não cai não!
Cai aqui na minha mão !
Cai, cai, balão!
Cai, cai, balão!Aqui na minha mão
Não vou lá! Não vou lá! Não vou lá!Tenho medo de apanhar !
Capelinha de melão
Capelinha de melão
É de São João
É de cravo, é de rosa
É de manjericão
São João está dormindo
Não acorda, não
cordai, acordai!
Acordai, João!
Noites de junho
(de João de Barro e Alberto Ribeiro)
Noite fria, tão fria de junho
Os balões para o céu vão subindo
Entre as nuvens aos poucos sumindo
Envoltos num tênue véu
Os balões devem ser com certeza
As estrelas aqui desse mundoAs estrelas do espaço profundo
São os balões lá do céu
Balão do meu sonho dourado
Subiste enfeitado, cheinho de luz
Depois as crianças tascaram
Rasgaram teu bojo de listas azuis
E tu que invejando as estrelasS
Sonhavas ao vê-las ser astro no céu
Hoje, balão apagado, acabas rasgado
Em trapos ao léu.
Sonho de papel
(música de Alberto Ribeiro)
E um balão vai subindo
Vem caindo a garoa
O céu é tão lindo
E a noite é tão boa!
São João!
São João!
Acende a fogueira
No meu coração
A girar na imensidão
Soltei em teu louvor
Um sonho multicor
Ó meu São João!
Meu balão azul
Foi subindo devagar
E o vento que soprou
Meu sonho carregou
Não vai mais voltar!

Essas são algumas músicas, caso vocês queiram o midi da música é só entrar no site http://lendorelendogabi.com.br/datas/cantigas_juninas.htm e se deliciar com a diversidade de músicas.

Beijos mil
Sand Catarina

Brincadeiras - Festa Junina

Aqui vão algumas dicas de brincadeiras para as festas Juninas ou até mesmo para descontrair a turminha.
Acerte as argolas:
Enche-se garrafas de refrigerante (plásticas e grandes) com água ou areia e aperta-se bem as tampas. Arruma-se as garrafas no chão com pelo menos um palmo de distância entre elas. Faz-se uma linha de arremesso a cerca de 1,5 metros de distância. Cada participante recebe cinco argolas (ou pulseiras), para fazer cinco tentativas. Vence quem deixar mais argolas presas nos gargalos das garrafas.
Boca do palhaço:
Desenha-se numa cartolina o rosto de um palhaço com uma boca bem grande. Recorta-se a boca. Coloca-se o desenho sobre uma grande caixa de papelão (sem tampa) e, com um lápis, marca-se o local onde irá ficar a boca. Recorta-se esse local e depois cola-se o rosto do palhaço na caixa. Cada participante recebe três bolinhas de borracha, para fazer três tentativas. Vence quem acertar mais bolinhas. Nota: As bolinhas podem ser feitas com meias. Basta encher a ponta de cada uma delas com jornal, até que fiquem redondas e durinhas, depois, é só dar um nó.
Dança da laranja:
Formam-se alguns casais para a dança. Uma laranja (ou bola de tênis) é colocada entre as testas de cada par. Os casais devem dançar com as mãos nas costas. Se o participante tocar na laranja com as mãos ou se ela cair no chão, o casal é desclassificado. A música prossegue até que fique só um casal.
Jogo do bicho ou Rabo do burro:
Desenha-se um animal de costas ou de lado numa cartolina e prende-se numa parede. O corpo do animal pode ser dividido em pedaços numerados - quanto mais perto do rabo, maior é o número. Cada participante deve receber uma etiqueta autocolante grande (já destacada). De olhos vendados, deve caminhar até o desenho e colar o rabo do animal. Quem colocar o rabo mais próximo do local correto é o vencedor.
Pescaria:
Recorta-se os peixes em cartolina colorida. Faz-se um corte no lugar da boca do peixe e prende-se um clipe ali (parecerá uma argola). Faz-se varas de pescar amarrando um barbante em cada vareta. Depois, na outra ponta do barbante amarra-se um outro clipe aberto na lateral. O clipe quando aberto tem o formato de gancho, como um anzol. Espeta-se os peixes numa grande bacia (ou banheirinha plástica) com areia. Cada participante pode fazer três tentativas. Vence quem pescar mais peixes.
E agora, o que vocês estão esperando?
Vamos brincar!!!
Beijos mil
Sand Catarina

segunda-feira, 19 de maio de 2008

Marcação: Quadrilha


Para quem está procura da marcação para o momento da quadrilha, aqui vai a dica.

Depois de casar os noivos, começa o arrasta-pé.

1- Vamos entrando! Os pares entram de braços dados no arraial, as damas a esquerda dos cavalheiros. Os noivos ficam na frente da fila. Depois, damas e cavalheiros se separam, formando uma fila de cada lado.

2 - Cavalheiros cumprimentam as damas! Com os braços atrás das costas, os cavalheiros se aproximam de suas damas e as cumprimentam tirando os chapéus. Depois, voltam de costas para os seus lugares.

3 - Damas cumprimentam cavalheiros! Agora é a vez das damas irem até os cavalheiros para cumprimentá-los. Elas também voltam de costas para os seu lugares.

4 - Balance - As duas filas se aproximam e os pares requebram frente a frente.

5 - Tour! Os pares dançam juntos, girando sem sair do lugar.

6 - Começa o passeio! De braços dados, os casais saem andando até formarem um círculo.

7 - A grande roda! Todos formam uma roda e giram para a direita.

8 - Damas ao centro! As damas passam para dentro do círculo formando uma roda. As damas giram para a direita e os cavalheiros para a esquerda.

9 - Cavalheiros procuram suas damas! As damas param e os cavalheiros continuam rodando até alcançarem suas companheiras. Eles param a direita delas.

10 - Coroar! De mãos dadas, os cavalheiros levantam os braços, passando-os por cima da cabeça das damas. Depois, damas e cavalheiros giram para a direita.

11 - Cavalheiros ao centro! Todos formam a grande roda de novo. Depois, os cavalheiros passam para dentro do cí­rculo e giram para a direita. As damas giram para a esquerda.

12 - Damas procuram seus cavalheiros! Cavalheiros param e damas continuam rodando até alcançarem seus parceiros. Elas param a esquerda dos seus cavalheiros.

13 - Coroar! De mãos dadas, as damas levantam os braços passando-os por cima da cabeça dos cavalheiros. Todos giram para a direita.
14 - O caracol! Forma-se uma nova roda. Depois, o noivo solta a mão direita e vai puxando os outros para dentro da roda, formando um caracol. Chegando ao centro, ele faz o caminho de volta. Os que forem saindo do caracol formam uma fila única.

15 - Caminho da roça! Todos saem dançando, sempre em fila.

16 - Olha a chuva!Cobrindo a cabeça com as mãos, todos dão meia-volta e começam a andar para o outro lado.

17 - É mentira! Todos voltam dizendo "Aaahhh!".

18 - Olha a cobra! Os dançarinos pulam, gritam e dão meia-volta.

19 - Já mataram! Os participantes voltam dizendo "Aaahhh!"

20 - Continua o passeio! Os pares continuam o passeio de braços dados, com os noivos na frente.

21 - Atenção! Preparar para o travessia! Sem parar de dançar, os pares se dividem. Um casal vai para a direita e outro vai para a esquerda, formando duas filas.

22 - Travessia de damas! Ao ritmo da música, as damas aproximam-se umas das outras, balançando as saias com as mãos, e então se cumprimentam. 23 - Agora é a vez dos cavalheiros! Os cavalheiros se cumprimentam.

24 - Preparar o galope! Os casais se abraçam como se fossem dançar.

25 - Começar! O primeiro casal de uma fila (os noivos) e o último casal da outra fila trocam de lugar, dançando bem rápido. Quando terminarem, os dois outros casais seguintes trocam de lugar. E assim por diante até todos mudarem a fila.

26 - Descruzar! Da mesma maneira, os noivos recomeçam a troca e todos voltam aos seus lugares.

27 - Continua o grande passeio!De braços dados, os casais formam uma fila e passeiam em ziguezague.

28 - Olha o túnel! Os noivos ficam frente a frente e, de mãos dadas, levantam os braços. O casal seguinte passa por baixo e, em seguida, também ajuda na formação do túnel e assim por diante. Quando o túnel estiver totalmente formado, os noivos o atravessam e continuam o passeio. Os outros fazem o mesmo.

29 - Agora, a despedida! Em fila, os pares vão se despedindo dos convidados. As damas acenam com as mãos e os cavalheiros com os chapéus.
Um beijão

Sand Catarina

FESTA JUNINA

Festa Junina

Sempre nos deparamos com essa festividade todos os anos. Com certeza, é uma das principais festas do folclore brasileiro, além de ser comemorada em diversos lugares do país, ela apresenta uma caractéristica regional, mesmo tendo sofrido influências de outros países, ou seja, cada lugar comemora de um jeito, mas, nunca perdendo o verdadeiro sentido desse momento.

Origem da Festa Junina:

Existem duas explicações para o termo festa junina. A primeira explica que surgiu em função das festividades que ocorrem durante o mês de junho. Outra versão diz que está festa tem origem em países católicos da Europa e, portanto, seriam uma homenagem a São João. No princípio, a festa era chamada de Joanina.

De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial (época em que o Brasil foi colonizado e governado por Portugal).
Nesta época, havia uma grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. Da península Ibérica teria vindo a dança de fitas, muito comum em Portugal e na Espanha.
Todos estes elementos culturais foram, com o passar do tempo, misturando-se aos aspectos culturais dos brasileiros (indígenas, afro-brasileiros e imigrantes europeus) nas diversas regiões do país, tomando características particulares em cada uma delas.

Comidas:

Não podemos esquecer que toda festa apresenta um determinado tipo de culinária, com as festas Juninas não foi nada diferente. Muitos são os doces, bolos e salgados, relacionados às festividades. Pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo de milho são apenas alguns exemplos. Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.

Tradições:

O primeiro símbolo das festas Juninas é a fogueira, em todos os lugares ela está presente, existem lugares em que as pessoas fazem competição para ver qual a fogueira mais alta e mais bonita.


Brincadeiras típicas como o pau-de-sebo, onde as pessoas tem que subir em um pau todo envolvido por um sebo, o duro é que escorrega muito sendo muito difícil chegar até o topo do tronco.

Devido aos incêndios, os balões ultimamente tem sido confeccionados somente para enfeite junto as bandeiras, lembrando que, é muito perigoso soltar balões porque essa prática pode causar um enorme estrago em florestas, cidades etc.

As bandeiras também fazem parte da tradição junina, muitos aproveitam para deixar o ambiente mais alegre e festivo.

Não podemos esquecer das barracas, além das barracas onde ficam as guloseimas e bebidas, também podemos verificar que existem diversas barracas para que todos os festeiros posssam brincar, como por exemplo, a barraca da pescaria, a barraca da boca do palhaço, a barraca de argolas etc.

Lembrando que em cada região as pessoas comemoram de um jeito.

No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.
Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.
Como Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro, são comuns as simpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de junho, as igrejas católicas distribuem o “pãozinho de Santo Antônio”. Diz a tradição que o pão bento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nunca ocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer deste pão.
Agora que todo mundo está bem informado, vamos preparar a festa e dançar bastante!


Fonte:


Beijos mil

Sand Catarina



sexta-feira, 16 de maio de 2008

Identidade


Trabalhar Identidade


Faixa etária: 4-5 anos


É muito importante trabalhar com as crianças a questão da identidade, ter conhecimento de si, é fundamental para um desenvolvimento pleno.

Mas, para isso é necessário atividades que despertem nas crianças o interesse pelo tema.


1º - Qual a origem do meu nome?

Uma pesquisa com os pais é importante pois assim as crianças poderão saber o porquê do João, da Maria, do Gustavo etc.


2º - Meu registro de nascimento.

Os pais podem enviar uma cópia do registro das crianças, assim elas poderão verificar no registro o dia em que nasceram, a cidade em que nasceram, o nome completo, o nome de seus pais, o nome de seus avós paternos e maternos e é claro a importância de se ter um documento.

Com isso pode se fazer um gráfico para verificar quantas crianças nasceram em determinada cidade, quantas nasceram em outras cidades, ou se todas nasceram na mesma cidade, pode se trabalhar o gráfico dos meses, quem nasceu em janeiro, quem nasceu em fevereiro etc.


3º - Quando eu nasci eu era assim, agora eu sou assim!

Pedir fotos das crianças quando eram pequenas e uma foto atual, assim elas poderão verificar o que mudou. O professor pode ver com os pais, quanto de cm a criança tinha quando ela nasceu e propor as crianças uma nova medição para verificar quanto de cm eles têm no momento.


4º - O que eu mais gosto é...

Fazer uma pesquisa com as crianças de suas preferências.


5º - O que eu não gosto...

Novamente levantar aquilo que elas não gostam.


6º - Desenho em tamanho real.

Desenhar as crianças em um enorme Kraft, pedir que verifiquem qual a cor dos cabelos, a cor dos olhos, será que eu tenho alguma marquinha de nascença etc. Assim elas iram registrar no kraft todos os questionamentos.


7º - Colagem

Pedir que façam uma colagem de quantos anos eles têm. Trabalhar contagem e correspondência termo a termo.


Isso são algumas das coisas que poderão ser feitas com as crianças.

Vamos lá então...

Mãos a obra...

O que você está esperando!!!


Beijos Mil


Tia Sand Catarina

quinta-feira, 15 de maio de 2008

Um desabafo

Abrindo algumas discussões.

Atualmente tenho me revoltado com a programação infantil nas tvs abertas.
Pelo amor de Deus, é uma vergonha oferecer programação mais fútil e ao mesmo tempo violenta.
De que vale, colocarem aquele comunicado a cada programa que assistimos durante a noite: "não recomendável para menores de 14 anos, 16 anos, 18 anos etc", se em plena manhã, encontramos desenhos que mostram armas, lutas, destruição, malcriação e desrespeito?
Poxa, é irônia dizer que nossos filhos, sobrinhos, crianças em geral, vão para a cama mais cedo porque a programação não é ideal para sua idade, quando as mesmas acordam as 8h da manhã e já estão a frente de uma grande sangria televisiva.

Feliz do rico que tem TV paga e pode controlar o que seus filhos assistem, mas e a pessoa de baixa renda que não tem condições de oferecer uma programação mais educativa para seus filhos, tem que se contentar com Simpsons em pleno 12h e aguentar o Bart fazendo malcriação, respondendo para seus pais, ou quem sabe Power Rangers e seus golpes e armas mortais.

Acredito que o mínimo que temos que fazer é colocar a boca no trambone e dizer que nossas crianças não são depósitos de lixo televisivo, que programação infantil, tem que ser revista o mais rápido possível.
Desenhos Educativos, de qualidade, que simplesmente, no mínimo passem uma boa mensagem.

Deixo aqui meu desabafo!!!!
Obrigada
Sand Catarina